Pesquisar materias no site

Carregando...

www.jornalfolhadaclasse.com.br



Agência de Notícias PRESS RS
CRPO SERRA
HOMEM  É  VÍTIMA  DE  TENTATIVA  DE  HOMICÍDIO  EM  CAXIAS  DO  SUL
Ele  foi  baleado no braço durante  uma tentativa de  assalto Nilton  Cardoso  dos  Santos,  46  anos  foi  vítima  de  tentativa  de  homicídio  na manhã  deste  domingo  em  Caxias  do  Sul.   O  crime  ocorreu  por  volta  das  09h  nas  imediações  do  Ginásio  de  Esportes Enxutão,  no  bairro  Marechal Floriano.   Santos  deu  entrada  do  Hospital  do  Círculo  com  ferimento  de  arma  de  fogo  no braço. Ele afirmou ter sido vítima de uma tentativa de assalto. 

HOMEM  É  MORTO    COM TIRO  NO  PESCOÇO  EM  CAXIAS  DO  SUL
Ele já  possuía  passagens pela polícia e  estava em  Liberdade  provisória   Antonio  Clovis  Ferreira  da  Silva,  54  anos  foi  morto  com  um  tiro  no  pescoço  na manhã  deste  domingo  (28)  em  Caxias  do  Sul.   Por  volta  das  09h30min  a  Brigada  Militar  foi  informada  de  um  tiroteio  na  rua Francisco  Betrão  de  Queiroz,  no  bairro  Monte  Carmelo,  onde  ocupantes  de veículo  Astra  de  Cor  verde  teriam  atirado  contra  um  veículo  Ford  Focus. Minutos  depois  Silva  deu  entrada  no  Hospital  Pompéia  com  um  disparo  de  arma de fogo  no  pescoço.   Ele  não  resistiu  ao  ferimento  e  acabou  falecendo.  O  motivo  e  autoria  do  crime não  estão  esclarecidos.   Silva já possuía passagem pela polícia e estava em liberdade provisória. 

HOMEM  ASSALTA  POSTO  DE  COMBUSTÍVEL  EM  CAXIAS  DO  SUL
Cerca  de  R$ 600  foram roubados do estabelecimento Um  posto  de combustível foi alvo  da ação  criminosa  na  tarde deste  domingo  em Caxias  do  Sul.   Por  volta  das  16h  um  homem  armado  de  revólver  entrou  no  estabelecimento localizado  na  Av.  Bejamim  Custódio  de  Oliveira,  no  bairro  Charqueadas  e anunciou o  roubo.   O assaltante fugiu do local levando cerca de R$ 600 em dinheiro.

Povo Brasileiro isto esta acontecendo aqui no Brasil.



DO ESPLENDOR À RUÍNA: AS VIAGENS INTERNACIONAIS DE LULA À BORDO DA ODEBRECHT E DE OUTRAS EMPRESAS. BRAHMA BEIJAVA O ROSTO DO LOBISTA.

Clique s/ imagem para ver a animação
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acomodava-se no Gulfstream G200, avião executivo com altura de cabine de quase 2 metros, naquele 21 de maio de 2011. O jatinho é um dos maiores de sua classe, a executiva. Tem mesa de reunião, acabamento em madeira de lei e pontos USB para laptops. A viagem de cerca de 5.000 quilômetros do Panamá a São Paulo aconteceu na aeronave prefixo PR-WTR. Lula não estava sozinho. Voava ao lado do lobista da Odebrecht Alexandrino Alencar, preso recentemente na Operação Lava Jato, acusado de ajudar a empreiteira a operar as propinas do petrolão no exterior. Alexandrino pediu demissão na semana passada de seu cargo na Odebrecht e teve a prisão preventiva decretada pelo juiz Sergio Moro. Em seu despacho, Moro escreveu: “Além das provas em geral do envolvimento da Odebrecht no esquema criminoso de cartel, ajuste de licitações e de propina, há prova material de proximidade entre Alberto Youssef e Alexandrino Alencar”. Naquele dia de maio de 2011, Lula passou pelo sistema de migração da Polícia Federal às 7h07; o lobista, quatro minutos depois. Estavam juntos, como juntos estavam em mais aventuras do que admitem até hoje.
ÉPOCA obteve um relatório da PF com as entradas e as saídas do Brasil de Lula e do lobista Alexandrino, entre 2011 e o início deste ano. Há a comprovação de duas viagens da dupla, que já haviam sido noticiadas (para Cuba e para Guiné Equatorial), e a revelação de que ambos estiveram juntos em mais quatro ocasiões (nessa viagem para o Panamá; numa outra para Colômbia, Peru e Equador; numa terceira para Portugal; e numa quarta para a África, passando porAngola e Gana). Além de atestar que a relação de Lula e Alexandrino era muito próxima, as planilhas da PF permitem, pela primeira vez, conhecer o sistema Uber particular de Lula – quem banca e como viaja o ex-presidente pelo mundo afora. São 78 trechos internacionais. As planilhas não identificam destino e origem das viagens. Mas apontam quem são os donos das aeronaves: em alguns casos, empreiteiras, bancos, importadores e companhias têxteis. Em outros, empresas alugando jatinhos de companhias de táxi-aéreo.
LULA TROCAVA BEIJOS COM LOBISTA
As viagens de Lula e Alexandrino não foram ocasionais. Os dois são amigos. Depois das viagens que faziam juntos, costumavam se cumprimentar com afetuosos beijos no rosto. Na sala de Alexandrino, na sede da Odebrecht em São Paulo, uma foto com Lula dividia espaço com retratos de familiares do executivo. Quando se referia a Lula, Alexandrino o chamava de “presidente” ou de “chefe” – deferência não dispensada nem sequer ao próprio Marcelo Odebrecht.
Tamanha era a intimidade entre os dois que Alexandrino acompanhava Lula em reuniões e eventos restritos a autoridades de Estado, mesmo quando o tour não era bancado exclusivamente pela Odebrecht. Numa excursão pela América do Sul, Lula viajou com uma comitiva de executivos da OAS, da Camargo Corrêa, da Andrade Gutierrez e da onipresente Odebrecht – todas acusadas de participar do cartel do petrolão. A viagem começou pela Colômbia: Lula embarcou em 3 de junho de 2013, às 9h41, de São Paulo para Bogotá. Lula foi a bordo do mesmo jatinho que o levara ao Panamá, dois anos antes. O lobista da Odebrecht (Alexandrino, não Lula) havia embarcado horas antes, às 7h39, para a capital colombiana. Lá, eles se encontraram com o presidente do país, Juan Manuel Santos, e participaram de encontros com empresários. Lula e Alexandrino seguiram então para o Peru, onde foram recebidos pelo então chefe de Estado, Ollanta Humala. Em fotos oficiais, o lobista da Odebrecht aparece a um passo de Lula. Os dois não param de rir. O périplo político da dupla terminou no dia 8 de junho de 2013, data em que ambos regressaram ao Brasil, em voos diferentes.
Em encontros com autoridades estrangeiras, Lula sempre defendia o interesse das empresas brasileiras em fazer negócios com o país de destino. “Por isso, a gente fazia questão de bancar as viagens dele”, disse um executivo de uma grande empreiteira antes de ser preso na última fase da  Lava Jato. O investimento se mostrava certeiro. Em 13 de março de 2013, por volta das 8 horas, Lula e Alexandrino embarcaram no aeroporto de Guarulhos com destino a Nigéria, Benin, Gana e Guiné Equatorial. Quatro meses depois dessa passagem de Lula pela África, a Odebrecht ganhou um contrato de uma obra de transporte com o governo ganês, contando com US$ 200 milhões do BNDES. Em 17 de abril do mesmo ano, o presidente de Gana, John Mahama, visitou o Brasil para lançar o seu livro Meu primeiro golpe de Estado. Aproveitou para ter reuniões reservadas com Lula e representantes da Odebrecht, segundo telegramas do Itamaraty.
INTIMIDADE E SORRISOS: O ex-presidente Lula e o lobista Alexandrino Alencar (ao fundo, de gravata) em visita ao Peru, em 2013. Os dois são amigos e costumam se cumprimentar com beijos no rosto durante as viagens que fazem juntos.
BRAHMA PODIA DECIDIR ROTEIRO
Em alguns casos, era o próprio Lula quem decidia quando e para onde queria viajar. Em mensagens de celular enviadas em 12 de novembro de 2013, Léo Pinheiro, presidente da construtora OAS, outro amigo de Lula preso na Lava Jato, e o diretor da área internacional da companhia, Augusto César Uzeda, acertavam detalhes dos preparativos para uma viagem do petista, a quem chamam de “Brahma”. “O Brahma quer fazer a palestra dia 24/25 ou 26/11 em Santiago”, diz Léo Pinheiro. “Amanhã começamos a organizar, o avião é por nossa conta”, escreve Uzeda. No dia 26 de novembro, às 10h53, conforme o combinado, o ex-presidente passou pela imigração e, em seguida, embarcou no mesmo Gulfstream G200, alugado da Global Aviation. No Chile, ele participou do seminárioDesenvolvimento e integração da América Latina. No dia 10 de dezembro de 2013, um consórcio integrado pela OAS, a sul-coreana Hyundai, a francesa Systra e a norueguesa AasJakobsen venceu a licitação para a construção de uma ponte de 2.750 metros sobre o Canal de Chacao, considerado o mais longo da América Latina, depois de apresentar a única oferta. O valor estimado do investimento da obra é de US$ 680 milhões.
Numa viagem de Lula e Alexandrino para Cuba, República Dominicana e Estados Unidos, em janeiro de 2013, a Odebrecht pagou, por meio de sua parceira comercial D.A.G. Construtora, R$ 435 mil para fretar uma aeronave da Líder Táxi-Aéreo, segundo revelou o jornal O Globo em abril deste ano. Em 2011, Lula incluiu Alexandrino numa viagem à Guiné Equatorial em que ia como chefe da delegação brasileira participar da Assembleia da União Africana, de acordo com reportagem da Folha de S.Paulo.
Documentos obtidos por ÉPOCA revelam que empresas de diversos setores bancaram as viagens de Lula pelo mundo afora. Ainda no ramo das empreiteiras, no dia 5 de setembro de 2011, por volta das 11h30, o ex-presidente embarcou numa aeronave modelo Falcon 900EX Easy no aeroporto internacional do Recife. A operadora do jato é a Morro Vermelho Táxi-Aéreo, do grupo Camargo Corrêa – que, além de cobrir as despesas com o avião, doou R$ 3 milhões ao Instituto Lula e repassou R$ 1,5 milhão para a empresa do líder petista LILS Palestras Eventos e Publicidade entre 2011 e 2013. Meses antes, em fevereiro, Lula viajara a bordo de um Cessna C750, dacompanhia têxtil Coteminas, do empresário Josué Gomes da Silva, e embarcara num Bombardier BD-700 Global Express, pertencente à mineradora Vale, com destino a Guiné, onde participou de um evento de início das obras de reconstrução de uma ferrovia. Clique AQUI para continuar lendo

LEVY, O MINISTRO DA FAZENDA PETISTA, FOI INTERNADO EM HOSPITAL DE BRASÍLIA. FORTES DORES NO PEITO.

O Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi a um hospital de Brasilia na noite de sexta-feira sentindo dores no peito.
O ministro, que sabidamente tem uma rotina estressante de trabalho, fez exames e já passa bem.
Ele teria sofrido uma embolia pulmonar e não embarcará para Washington com a Presidente Dilma Rousseff amanhã cedo, como estava planejado.
De acordo com um assessor, que falou com o ministro há pouco ao telefone, ele pretende embarcar no domingo.
A notícia foi dada em primeira mão pelo colunista Ancelmo Gois, do GLOBO. Da coluna Mercados/Site de Veja

Sponholz: Lula afirma que não sabe de nada e não viu nada!

sexta-feira, junho 26, 2015

REPORTAGEM-BOMBA DE 'VEJA' REVELA AS CONFISSÕES DO EMPREITEIRO DELATOR E ABRE O CAMINHO PARA O IMPEACHMENT DA DILMA E PROSCRIÇÃO DO PT

A reportagem-bomba de Veja que chega às bancas neste sábado não poderia ser diferente. São 12 páginas que recheiam o miolo da publicação. Veja teve acesso aos espantosos relatos que levaram o Supremo Tribunal Federal (STF) a aceitar a delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC. 

O resumo da reportagem-bomba, que é um aperitivo apenas dessa história cabulosa que tem mantido o PT no poder até agora e poderá ser lida nas 12 páginas de Veja, é uma narrativa demolidora, impressionante! Na sua delação à Justiça, Ricardo Pessoa confessou que com a verba desviada da Petrobras, a UTC doou dinheiro para as campanhas de Lula em 2006 e de Dilma em 2014. Foi com ela também que garantiu o repasse de 3,2 milhões de reais a José Dirceu, uma ajudinha providencial para que o mensaleiro pagasse suas despesas pessoais. A UTC ascendeu ao panteão das grandes empreiteiras nacionais nos governos do PT. Ao Ministério Público, Pessoa fez questão de registrar que essa caminhada foi pavimentada com propinas. Altas somas. 

Deve-se assinalar, que essa soma fabulosa de dinheiro roubado dos cofres públicos é que tem financiado até aqui o tal "projeto do PT", ao qual Lula se refere sempre. Esse projeto é o projeto do Foro de São Paulo, a organização comunista transnacional destinada a solapar a democracia e as liberdades civis para entronizar eternamente no poder esses velhacos que estão destruindo o Brasil e todos os países latino-americanos. O exemplo mais eloquente é a Venezuela e, mais recentemente, o Equador, conforme revelei nesta sexta-feira aqui no blog. Portanto, não há justificativas de nenhuma espécie para protelar a permanência do PT no poder. E mais, sua própria existência, já que colide frontalmente com os anseios do povo brasileiros fundados na democracia, na paz, na segurança e na liberdade.

Transcrevo, do site da revista Veja, um resumo ligeiro dessa reportagem-bomba que é histórica e que deve ser lida e guardada por todos os cidadãos brasileiros, de sorte que nunca mais a Nação brasileira seja exposta à rapinagem desses vagabundos asquerosos. Também reproduzo abaixo a lista de políticos que se locupletaram com o dinheiro desviado da Petrobras. É uma indecência odiosa! Têm de ser punidos com a perda do mandato e uma temporada na cadeia. Leiam:

O engenheiro Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, tem contratos bilionários com o governo, é apontado como o chefe do clube dos empreiteiros que se organizaram para saquear a Petrobras e cliente das palestras do ex-presidente Lula. Desde a sua prisão, em novembro passado, ele ameaça contar com riqueza de detalhes como petistas e governistas graúdos se beneficiaram do maior esquema de corrupção da história do país. Nos últimos meses, Pessoa pressionou os detentores do poder - por meio de bilhetes escritos a mão - a ajudá-lo a sair da cadeia e livrá-lo de uma condenação pesada. Ao mesmo tempo, começou a negociar com as autoridades um acordo de delação premiada. o empresário se recusava a revelar o muito que testemunhou graças ao acesso privilegiado aos gabinetes mais importantes de Brasília. O Ministério Público queria extrair dele todos os segredos da engrenagem criminosa que desviou pelo menos 6 bilhões de reais dos cofres públicos. Essa negociação arrastada e difícil acabou na semana passada, quando o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou o acordo de colaboração entre o empresário e os procuradores.
VEJA teve acesso aos termos desse acerto. O conteúdo é demolidor. As confissões do empreiteiro deram origem a 40 anexos recheados de planilhas e documentos que registram o caminho do dinheiro sujo. Em cinco dias de depoimentos prestados em Brasília, Pessoa descreveu como financiou campanhas à margem da lei e distribuiu propinas. Ele disse que usou dinheiro do petrolão para bancar despesas de 18 figuras coroadas da República. Foi com a verba desviada da estatal que a UTC doou dinheiro para as campanhas de Lula em 2006 e de Dilma em 2014. Foi com ela também que garantiu o repasse de 3,2 milhões de reais a José Dirceu, uma ajudinha providencial para que o mensaleiro pagasse suas despesas pessoais. A UTC ascendeu ao panteão das grandes empreiteiras nacionais nos governos do PT. Ao Ministério Público, Pessoa fez questão de registrar que essa caminhada foi pavimentada com propinas. Altas somas.
O engenheiro Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, tem contratos bilionários com o governo, é apontado como o chefe do clube dos empreiteiros que se organizaram para saquear a Petrobras e cliente das palestras do ex-presidente Lula. Desde a sua prisão, em novembro passado, ele ameaça contar com riqueza de detalhes como petistas e governistas graúdos se beneficiaram do maior esquema de corrupção da história do país. Nos últimos meses, Pessoa pressionou os detentores do poder - por meio de bilhetes escritos a mão - a ajudá-lo a sair da cadeia e livrá-lo de uma condenação pesada. Ao mesmo tempo, começou a negociar com as autoridades um acordo de delação premiada. o empresário se recusava a revelar o muito que testemunhou graças ao acesso privilegiado aos gabinetes mais importantes de Brasília. O Ministério Público queria extrair dele todos os segredos da engrenagem criminosa que desviou pelo menos 6 bilhões de reais dos cofres públicos. Essa negociação arrastada e difícil acabou na semana passada, quando o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou o acordo de colaboração entre o empresário e os procuradores.
VEJA teve acesso aos termos desse acerto. O conteúdo é demolidor. As confissões do empreiteiro deram origem a 40 anexos recheados de planilhas e documentos que registram o caminho do dinheiro sujo. Em cinco dias de depoimentos prestados em Brasília, Pessoa descreveu como financiou campanhas à margem da lei e distribuiu propinas. Ele disse que usou dinheiro do petrolão para bancar despesas de 18 figuras coroadas da República. Foi com a verba desviada da estatal que a UTC doou dinheiro para as campanhas de Lula em 2006 e de Dilma em 2014. Foi com ela também que garantiu o repasse de 3,2 milhões de reais a José Dirceu, uma ajudinha providencial para que o mensaleiro pagasse suas despesas pessoais. A UTC ascendeu ao panteão das grandes empreiteiras nacionais nos governos do PT. Ao Ministério Público, Pessoa fez questão de registrar que essa caminhada foi pavimentada com propinas. Altas somas. Do site de Veja
A DIVISÃO DO BUTIM
Clique sobre a imagem para vê-la ampliada


DINHEIRO SUJO "POR DENTRO" E "POR FORA"
O site O Antagonista postou uma observação relevante: Leiam:
Alguns leitores estão confusos: o Estadão publicou que Ricardo Pessoa repassou 3,6 milhões de reais em dinheiro sujo para o caixa 2 da campanha de Dilma Rousseff. Há até uma planilha intitulada "Pagamentos ao PT por caixa dois". A Veja, por sua vez, forneceu valores bem mais altos de dinheiro sujo, só que repassados "por dentro" para campanhas de 18 políticos.
A conclusão lógica é que Ricardo Pessoa alimentou campanhas "por fora" e "por dentro", mas sempre com dinheiro sujo. O Estadão teve acesso a uma parte da delação premiada e a Veja, a outra, até o momento.

BIG BOSS DO PETROLÃO CONFESSA REPASSE DE R$ 3,6 MILHÕES EM DINHEIRO SUJO A DILMA ROUSSEFF E ACENDE O ESTOPIM DO IMPEACHMENT

Ricardo Pessoa, o big boss do petrolão.
O ex-presidente da UTC, Ricardo Pessoa detalhou em depoimento de delação premiada que repassou R$ 3,6 milhões de caixa dois para o ex-tesoureiro da campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010, José de Filippi, e o ex-tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, entre 2010 e 2014. Ele entregou aos investigadores uma planilha intitulada "pagamentos ao PT por caixa dois" que relaciona os ex-tesoureiros a valores. 
Na quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) homologou a delação de Ricardo Pessoa, o que significa que as informações prestadas por ele em depoimento à Procuradoria Geral da República poderão ser utilizadas como indícios para ajudar as investigações.
Atual secretário municipal de saúde de São Paulo, José de Filippi, é uma das pessoas mais próximas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Antes de ser o responsável pelas contas da campanha de Dilma Rousseff ele foi o tesoureiro da campanha à reeleição de Lula em 2006.
Os supostos pagamentos a José de Filippi relacionados pelo ex-presidente da UTC em delação premiada somam R$ 750 mil e foram feitos nos anos eleitorais de 2010, 2012 e 2014. Há apenas um pagamento fora da calendário eleitoral, no ano de 2011, de R$ 100 mil. 
Em 2010, quando era tesoureiro da campanha de Dilma, conforme a planilha, ele teria recebido de caixa dois R$ 250 mil. No Tribunal Superior Eleitoral (TSE) há registro de repasse de R$ 1 milhão da UTC para a direção nacional do PT. Na prestação da campanha de Dilma, não há registro de doação da empreiteira nem do seu braço Constran. Nos demais anos, a planilha do "caixa dois" indica repasses nos valores de: 2012 (R$ 200 mil); 2013 (R$ 100 mil) e 2014 (R$ 100 mil). 
Pessoa chegou a arrolar Fillipi como sua testemunha de defesa no processo em que o empreiteiro é acusado de chefiar o esquema de empreiteiras que pagava propina para executivos e partidos políticos em troca de conseguir os melhores contratos na petroleira. A lista de testemunhas na época causou estranheza até mesmo do juiz Sérgio Mouro que pediu explicações sobre a escolha dos nomes. 
Vaccari. A planilha apresentada por Pessoa no processo de delação premiada também relaciona o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que ocupou o cargo até abril deste ano. O petista esta preso acusado de ser o operador do PT no esquema de corrupção e de ter lavado dinheiro para o partido. Na relação apresentada por Pessoa, ele aparece relacionado a suposto pagamento de caixa dois no valor de R$ 2,9 milhões que teriam sido efetuados entre 2011 e 2013, período em que ele respondia pelo caixa do PT. Em fevereiro de 2011, ele teria recebido R$ 500 mil para o partido; em março de 2011, R$ 500 mil; em março de 2012, R$ 220 mil. Em 2013 foram quatro pagamentos: em abril (R$ 350 mil), em julho foram dois pagamentos de R$ 350 mil e R$ 500 mil e em agosto, de R$ 500 mil. 
Procurado pela assessoria, Filippi ainda não respondeu ao Estado. A defesa de Pessoa informou que anão vai comentar as informações porque a delação é sigilosa. Também informou que não confirma a autenticidade da planilha. O Estado não conseguiu contato com a defesa de Vaccari. Do site do Estadão

EXCLUSIVO: EXPLODE NO EQUADOR REVOLTA POPULAR CONTRA O TIRANETE RAFAEL CORREA, TÍTERE DO FORO DE SÃO PAULO.

Estas fotos são do jornal La Hora, do Equador. Clique aqui para ver a reportagem e mais fotos, ou seja, tudo aquilo que a grande mídia brasileira está escondendo em favor da bandalha comunista do Foro de São Paulo, presidido por Lula, o ex-presidente do petrolão.
Não é apenas no Brasil que estão ocorrendo protestos, mas em toda a América Latina. Graças ao Twitter é que tive acesso às mega manifestações populares que se levantam no Equador contra o governo comunista do tiranete Rafael Correa, um dos expoente do Foro de São Paulo. Aliás, a portentosa sede da Unasul está no Equador e não se sabe quanto o Brasil, por exemplo, investiu naquele prédio gigantesco. Uma estátua enorme do finado tiranete argentino Néstor Kirchner, que dá o nome a esse prédio nababesco, na verdade a sede do Foro de São Paulo, foi colocada na entrada do prédio. No seu interior, um quadro com uma foto enorme de Lula resplandece sob a guarda de dois soldados de Correa em traje de gala.
Como não poderia deixar de ser, o levante popular no Equador é praticamente escamoteado pela grande mídia brasileira. E não é só o que está ocorrendo no no latifúndio de Rafael Correa que é diligentemente escondido e minimizado pelo jornalismo à soldo do Foro de São Paulo.
Não vejo televisão e por isso não sei se noticiaram alguma coisa. Note-se que as revoltas populares contra as ditaduras do Foro de São Paulo não acontecem apenas no Brasil e no Equador, mas em praticamente todos os países da América Latina sob o controle dessa organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro em 1990, com o objetivo de transformar todo o continente latino-americano num apêndice do castro-comunismo. Tanto é que se registram também ataques terroristas do Foro de São Paulo em Honduras e o governo hondurenho acusa a interferência da Venezuela que tenta empurrar goela abaixo dos hondurenhos o famigerado Zelaya que foi deposto por ter rasgado a Constituição daquele país. Quem acompanha o noticiário internacional lembra-se do episódio em que Lula transformou a embaixada brasileira em Manágua num bunker de Zelaya. Recordo-me que naquela oportunidade a Folha de S. Paulo escalou um jornalista para cobrir aquela pantomima bolivariana. Esse jornalista dormia dentro da embaixada brasileira ao lado de Zelaya.
O mote das manifestações que explodiram no Equador é praticamente igual ao que ocorre no Brasil. Populares gritam que o Equador não quer se transformar numa nova Venezuela. Como no Brasil lá também a economia foi para o vinagre repetindo-se a velha máxima segundo a qual o socialismo se acaba quando acaba do dinheiro dos outros.
No Equador o tiranete Rafael Correa, a exemplo da Dilma e do Lula, resolveu meter a mão no bolso dos cidadãos na tentativa de salvar o país da bancarrota. Mas lá, como aqui, embora tenha demorado, o povo acordou e foi para as ruas e não saíra delas até que o tiranete vagabundo Rafael Correa seja derrubado. 
Como essas revoltas populares são anticomunistas, portanto contra o Foro de São Paulo, a grande mídia nacional e internacional dá um jeito de escamotear.
Acontece que essa fórmula diabólica de manipular a opinião pública que a grande mídia e seus jornalistas comunistas estavam acostumados a aplicar foi por água abaixo depois do advento da internet e, sobretudo, das redes sociais. 
Já começo a a aceitar a tese de que os grandes jornais e revistas irão desaparecer. Não por causa das novas tecnologias, mas por obsolescência de conteúdo e manipulação da informação, ao mesmo tempo que que a mídia independente que opera apenas em nível de internet terá um crescimento astronômico nos próximos anos.
Depois de muito fuçar na internet acabei encontrando uma matéria pequena e sem fotos, de agência, veiculada ontem no site do jornal O Estado de S. Paulo referente à revolta popular no Equador. Certamente outros veículos de mídia também noticiaram mas de forma minimalista sem o devido destaque e que foram passadas para o arquivo imediatamente. Abaixo transcrevo a matéria que encontrei no site do Estadão.
O tiranete Rafael Correa, o lacaio do Foro de São Paulo, acossado pelo povo nas ruas.
POVO NAS RUAS CONTRA O TIRANETE
Milhares de manifestantes tomaram as ruas da maior cidade equatoriana, Guayaquil, para protestar contra as políticas do presidente Rafael Correa, especialmente contra suas novas propostas tributárias. As manifestações, lideradas pelo prefeito Jaime Nebot, são parte da terceira semana de protestos contra o governo de Correa. Nesta quinta-feira, também ocorreram grandes protestos na capital do país, Quito, e em outras cidades, como preparação para a paralisação nacional, cuja data ainda não foi definida.
Emissoras de televisão mostraram imagens de milhares de pessoas na principal avenida de Guayaquil, levando bandeiras e cartazes com dizeres como "Chega de abusos, chega de impostos" e "Equador não é Venezuela". Em um discurso duro, Nebot disse que o Equador passa por tempos difíceis, não apenas política, mas ideologicamente, e acusou o governo central de dividir os equatorianos, seguindo o caminho do regime venezuelano.
Os protestos contra o governo eram originalmente organizados por meio de redes sociais, mas agora são também liderados por opositores, sindicatos, populações indígenas e ativistas sociais.
Um projeto de lei para taxar heranças em até 77,5% e outro de um imposto de 75% sobre ganhos de capital do setor imobiliário foram o estopim dos protestos, que incluem reclamações contra as políticas econômicas do governo e contra o que os críticos descrevem como a posição ditatorial de Correa. O presidente diz que os protestos buscam desestabilizar seu governo e os novos impostos buscam garantir mais igualdade.
Economistas dizem que as leis afetarão negativamente a economia equatoriana e as famílias, em uma nação onde 95% dos negócios são familiares. Na semana passada, Correa retirou temporariamente do Parlamento os dois projetos de lei, antes da visita do papa Francisco ao país, entre 6 e 8 de julho. Os manifestantes querem que as leis sejam definitivamente arquivadas.
O partido governista, Alianza País, controla 100 das 137 cadeiras da Assembleia Nacional. Os protestos contra as políticas de Correa devem seguir pelo menos até julho, quando sindicatos decidem a data de uma grande greve contra o governo.
Correa, que há três meses é alvo de protestos em razão de suas políticas e estilo de governo, registrou este mês o índice de popularidade mais baixo de seu governo (46%) desde que assumiu o poder, em 2007, de acordo com uma pesquisa Cedatos-Gallup publicada nesta quinta-feira. A sondagem revelou uma queda de 5 pontos porcentuais na popularidade do presidente em relação a maio. Do site do Estadão

quinta-feira, junho 25, 2015

PARA SALVAR A PRÓPRIA PELE LULA PODERIA REEDITAR O GRANDE EXPURGO DE STALIN CONTRA VELHOS COMPANHEIROS

O ex-presidente Lula tem sido aconselhado por setores do próprio PT a promover um “expurgo”, de inspiração stalinista, de petistas acusados de corrupção. O expurgo seria por meio de desligamento “voluntário”, sempre “em nome do projeto”, ou com a expulsão dos que não aceitem a solução. O objetivo do expurgo seria tentar safar o próprio Lula no caso Lava Jato e viabilizar sua nova candidatura presidencial, em 2018.
Lula resistiu ao expurgo, mas suas recentes críticas ao PT e seus elogios ao “projeto” sinalizam que ele passou a considerar a ideia.
O expurgo no PT é inspirado no “grande expurgo” promovido de forma violenta pelo ditador Joseph Stalin no Partido Comunista soviético.
O expurgo sob exame no PT não cogita utilizar, claro, os mesmos métodos de Stalin, que mandou matar 98 dos seus 139 companheiros.
Stalin – tirano idolatrado por figurões do PT – assassinou dois terços do PC, entre 1934 e 1939, incluindo o dissidente Leon Trotsky. Do site Diário do Poder/Claudio Humberto

DESEMBARGADOR CRITICA 'AVENTURA JURÍDICA' E ARQUIVA HABEAS CORPUS EM NOME DE LULA. TAMBÉM PEDE AO MP QUE INVESTIGUE O CASO.

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, arquivou na tarde desta quinta-feira um pedido de habeas corpus preventivo em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apresentado para que o petista não fosse preso por causa das investigações da Operação Lava Jato. O recurso foi assinado por Maurício Ramos Thomaz, cidadão que, ao longo do julgamento do mensalão, publicou carta aberta em favor dos réus cujos casos eram analisados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Ao negar o HC, Gebran Neto disse que Ramos Thomaz praticou uma "aventura jurídica" ao apresentar o recurso à Justiça e pediu que o Ministério Público investigue o caso, já que o autor do recurso atacou diversas autoridades no que o magistrado considera um "linguagem imprópria, vulgar e chula". Apenas em relação ao juiz Sergio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em Curitiba, Ramos Thomaz disse que o juiz do caso seria "moralmente deficiente" e teria postura "hitleriana". 
O tumulto com a notícia do habeas corpus em favor do ex-presidente levou o desembargador a decretar segredo de justiça para o caso por 48 horas, já que o endereço eletrônico do tribunal ficou instável pelo elevado número de acessos. 
 'Consultor' Maurício Ramos Thomaz/Facebook
No início do mês, Gebran Neto já havia negado pedido de liberdade apresentado também por Ramos Thomaz em nome do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Maurício Ramos Thomaz é recorrente em pedir habeas corpus em casos de repercussão midiática. No auge do escândalo do mensalão, ele atacou o então ministro do Supremo Joaquim Barbosa ao apresentar pedidos em favor de Simone Vasconcelos, ex-funcionária do operador Marcos Valério, da banqueira Kátia Rabello e do ex-dirigente do Banco Rural Vinicius Samarane. (Laryssa Borges, de Curitiba) - Do site da revista Veja

Sponholz: Lula pediu Habeas 'Copus'.


CONSULTOR ENTRA COM HABEAS CORPUS PREVENTIVO EM FAVOR DE LULA NA JUSTIÇA FEDERAL DO PARANÁ

Habeas Corpus Preventivo em favor de Lula é real. Clique sobre a imagem para vê-la ampliada
A Justiça Federal no Paraná recebeu na quarta-feira, 24, um pedido de habeas corpus preventivo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A medida impetrada por Mauricio Ramos Thomaz, que se apresenta como consultor, busca evitar eventual ordem de prisão contra ex-presidente no âmbito Operação Lava Jato.
Nos autos da Lava Jato, oficialmente, não há nenhum indicativo de investigação sobre o ex-presidente no esquema de corrupção na Petrobrás. O ex-presidente nega que seja o autor do pedido.
Segundo a assessoria de imprensa do instituto, a equipe do ex-presidente está averiguando quem é o autor da ação. O Instituto Lula trabalha com duas hipóteses: a primeira de que seja algum simpatizante que tomou a iniciativa sem consultar o ex-presidente. E a segunda, em sentido oposto, de que seja uma provocação de algum adversário interessado em desgastar politicamente o ex-presidente e envolvê-lo na operação Lava Jato.
O Instituto Lula informou achar “estranho” o fato de que o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) tenha divulgado a informação em suas redes sociais antes mesmo de o habeas corpus ter sido revelado pela imprensa ou o instituto ter sido consultado. Ainda de acordo com o instituto, Lula soube do habeas corpus por meio da imprensa.
O senador Ronaldo Caiado disse que apenas tornou público o teor do habeas corpus. “Quem entrou com o habeas corpus não é problema meu”.
Há cerca de 15 dias, um laudo pericial indicou que a Camargo Corrêa pagou R$ 3 milhões para o Instituto Lula e mais R$ 1,5 milhão para a LILS Palestras Eventos e Publicidade, de Luiz Inácio Lula da Silva, entre os anos de 2011 e 2013. Foi a primeira vez que os negócios do ex-presidente apareceram nas investigações da Operação Lava Jato, que apura um esquema de cartel e corrupção na Petrobrás com prejuízo de R$ 6 bilhões já reconhecidos pela estatal.
São três pagamentos de R$ 1 milhão cada registrados como “Contribuições e Doações” e “Bônus Eleitoral” para o Instituto, aberto por Lula após ele deixar a Presidência da República, em 2011. A revelação sobre o elo da empreiteira – uma das líderes do cartel alvo da Lava Jato – com Lula consta do laudo 1047/2015, da Polícia Federal, anexado nesta terça-feira, 9, nos autos da investigação.
Na ocasião, o Instituto Lula e a Camargo Corrêa se manifestaram. Veja o que cada um informou:
COM A PALAVRA, O INSTITUTO LULA
O Instituto Lula informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que os valores registrados na contabilidade da Camargo Corrêa foram doados legalmente e que não existe relação entre a entidade e questões eleitorais.
“O Instituto Lula não prestou nenhum serviço eleitoral, tampouco emite bônus eleitorais, o que é uma prerrogativa de partidos políticos, portanto deve ser algum equívoco.”
Segundo a assessoria do Instituto, “os valores citados no seu contato foram doados para o Instituto Lula para a manutenção e desenvolvimentos de atividades institucionais, conforme objeto social do seu estatuto, que estabelece, entre outras finalidades, o estudo e compartilhamento de políticas públicas dedicadas à erradicação da pobreza e da fome no mundo”.
Quanto aos valores para a empresa do ex-presidente a assessoria informou que “os três pagamentos para a LILS são referentes a quatro palestras feitas pelo ex-presidente, todas elas eventos públicos e com seus respectivos contratos”.
“Essas doações e pagamentos foram devidamente contabilizados, declarados e recolhidos os impostos devidos.”
A nota informa ainda que “as doações ao Instituto Lula e as palestras do ex-presidente não tem nenhuma relação com contratos da Petrobrás”.
COM A PALAVRA, A CAMARGO CORRÊA
“A Construtora Camargo Corrêa esclarece que as contribuições ao Instituto Lula referem-se a apoio institucional e ao patrocínio de palestras do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no exterior.” Do siter do jornal O Estado de S. Paulo

Sponholz: Dilma e a mandioca.


PODEM SOLTAR O MARCELO ODEBRECHT

Marcelo Odebrecht, o príncipe das empreiteiras, muito querido por Fidel e Raúl Castro e por Nicolás Maduro e sua corriola. Argh! (Foto do site de Veja)
A matéria que segue é do site de Veja. Refere-se ao tal bilhete de Marcelo Odebrecht, um dos empreiteiros grandalhões preso pela Lava Jato.
Lendo os argumentos da defesa do indigitado empreiteiro, chega-se à conclusão que ele é um santo. Fidel Castro e seu irmão Raúl provavelmente tem esta mesma impressão, principalmente pelo fato de que foram agraciados com o Porto de Mariel, construído pela Odebrecht com a grana do BNDES, sob o carimbo de “secreto” aplicado pelos “irmãos petralhas”.
O diabo é que as fabulosas 'despesas' dessa imundice, dessa roubalheira vergonhosa está sendo debitada na conta dos cidadãos brasileiros que ralam todos os dias para sustentar suas famílias.
Dizem que o Marcelo Odebrecht mandou destruir um e-mail. Os brasileiros de bem, honestos e trabalhadores estão loucos para destruir o PT, o Lula, a Dilma, o Zé Dirceu e demais escrotos responsáveis por toda essa pilhagem do erário.
Podem soltar o Marcelo Odebrecht. Na verdade ele já está preso, como o Lula e seus sequazes, já que não poderão nunca mais aparecer publicamente e passarão o resto de suas vidas se escondendo.
Aqui a narrativa dessa história rocambolesca. O que se constata do bilhete de Marcelo Odebrecht é que ele tem uma péssima caligrafia. Tudo isso é nojento, asqueroso e, sobretudo, diabólico. As mentiras campeiam e são reproduzidas à farta. Leiam:
Um bilhete redigido pelo empreiteiro Marcelo Odebrecht de dentro da carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR) chamou a atenção dos agentes que fazem a triagem das mensagens trocadas pelos presos e seus advogados. Num trecho do texto, de difícil interpretação, Odebrecht diz a seus defensores: "Destruir email sondas". A PF copiou o bilhete e reportou o caso ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato. O episódio veio à tona nesta quarta-feira. Duas interpretações se contrapõem. Para os investigadores, o bilhete poderia representar uma ordem para a destruição de provas. Essa ordem seria motivo para que Odebrecht tivesse sua prisão estendida - pois seria uma tentativa de obstruir a investigação. Para os advogados do empresário, o uso de destruir era metafórico: Odebrecht apenas os orientava a desconstruir a acusação de ter superfaturado contratos com a Petrobras.
Em e-mails rastreados pelos agentes da Lava Jato, Odebrecht discutiu a contratação de navios-sonda e a possibilidade de "sobrepreço" de até 25.000 dólares por dia. Na versão da defesa do empreiteiro, considerada risível por policiais que atuam no caso, a palavra "sobrepreço" não seria superfaturamento, mas sim um termo técnico utilizado na conversa.
Os advogados Rodrigo Sanchez Rio e Dora Cavalcanti, que integram a banca de defesa dos executivos, não devolveram aos investigadores o bilhete original lido na carceragem. A PF deu prazo de 24 horas para a apresentação do manuscrito, mas não obteve retorno até agora.
A defesa de Marcelo argumenta que o verbo "destruir" seria uma "estratégia processual" - e não a aniquilação de eventuais provas. Também afirmam que o e-mail sobre navios-sonda já consta dos autos. "Há uma percepção de que a prisão de Marcelo não se sustenta. Houve uma interpretação torta e maldosa. Não faz sentido a polícia entregar à defesa um bilhete que poderia ser uma prova e também não faz sentido haver uma suposta ordem para destruir um e-mail já apreendido pelos policiais", disse a advogada Dora Cavalcanti.
Nesta terça, antes de o delegado Eduardo Mauat ter reportado o episódio ao juiz Sergio Moro, a defesa de Marcelo Odebrecht encaminhou ofício ao magistrado no qual diz que a mensagem manuscrita pelo executivo foi "maliciosamente interpretada como indício da prática de crime".
"As anotações não continham o mais remoto comando para que provas fossem destruídas e que, à toda evidência, a palavra destruir fora empregada no sentido de descontruir, rebater, infirmar a interpretação equivocada que foi feita sobre o conteúdo do e-mail", diz a defesa.
Para a Polícia Federal, não é a primeira vez que a Odebrecht tenta destruir provas da participação da empreiteira no propinoduto. Durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão na empresa em São Paulo, representantes da Braskem, o braço petroquímico da empresa, foram notificados para apresentarem arquivos de e-mails da do executivo Roberto Prisco Ramos. Os dados, contudo, não foram apresentados na íntegra.
Em nota, a Braskem informou que "está dentro do prazo legal, que se encerra na próxima sexta-feira, para o envio das informações solicitadas pela Polícia Federal". "Este é um procedimento trabalhoso e demorado, feito por uma empresa multinacional independente. Não há qualquer fato que justifique a acusação de destruição de provas", disse a empresa. Clique AQUI para ver os garranchos do grandalhão, do príncipe das empreiteiras 

quarta-feira, junho 24, 2015

Sponholz: Odebrecht corta Lula.


ESTADOS UNIDOS, ONDE A IMPUNIDADE NÃO É CONSENTIDA NEM A PAU. PENA DE MORTE PARA O TERRORISTA ASSASSINO.

A cadeira elétrica e o equipamento para aplicação de injeção letal. Nada indica que a pena capital será abolida nos Estados Unidos, apesar das campanhas levadas a efeito pelos psicopatas esquerdistas. Sim, porque são eles que têm o que temer.
Pelo rigor da lei e a pena capital para crimes hediondos é que é possível transitar com segurança nos Estados Unidos. E nada indica que isso será mudado nos Estados Unidos, embora haja uma corrente enorme de politicamente corretos, de bundalelês variados, de comunistas e psicopatas de toda a ordem lutando para destruir essa mega potência democrática onde a liberdade individual permanece intocável. Tanto é que assassinos como esse monstro de Boston todos os dias tentam de alguma forma solapar os fundamentos da maior democracia do mundo.

Mas como se pode conferir em matéria do site da revista Veja, que transcrevo após este prólogo analítico, prevalece a razão contra os porras-loucas do pensamento politicamente correto que abençoam os criminosos e que tentam de todas as formas fazer tábula rasa da lei. Depois desse julgamento, por certo, surgirão campanhas para salvar a pele desse terrorista. Entretanto, seu destino está selado. Não fosse assim, os Estados Unidos não seriam essa potência que alimenta o mundo.

Há alguns meses atrás pude conferir in loco, na Terra de Tio Sam, o que é o denominado "império da lei", conceito que define o "Estado moderno". E esta preciosidade da filosofia política habita o cérebro da maioria dos cidadãos norte-americanos. Nem mesmo as transgressões mais comezinhas da lei são cometidas pelos cidadãos. Estacionar veículo em local proibido nem pensar. Um leve toque fortuito entre cidadãos que caminham numa calçada exige o imediato "I'm sorry". As coisas começam por aí. 

Conversando com um imigrante latino-americano sobre como é viver nos Estados Unidos, ele me confidenciou: "o problema são os costumes". Esbocei apenas um sorriso, embora tenha me vindo à mente o fato de que toda a América Latina, com destaque para o Brasil, é uma esculhambação total e irrestrita, algo inimaginável para um cidadão norte-americano. Lembrei-me também de um conceito da sociologia tipificado por "mores", termo em inglês que designa os costumes e convenções que orientam as ações e relações sociais. Esses costumes e convenções de viés moral e ético na maioria das vezes, ainda que não necessariamente codificados na lei, são seguidos à risca. Até porque certas convenções como tirar o chapéu ao entrar num templo, por exemplo, não estão codificadas. 

Os Estados Unidos estão entre os poucos países ocidentais em que a pena capital é empregada e não há nenhuma indicação de que possa ser abolida. 

Também têm a maior população carcerária do mundo, superando até mesmo a China que tem pelo menos uma população quase quatro vezes maior que a norte-americana. Esta estatística foi veiculada pela grande mídia recentemente. 

No momento em que li essa informação pensei imediatamente: por isso que lá nos Estados Unidos pude transitar livremente e com segurança nas ruas inclusive à noite. Sim, porque os psicopatas ou estavam em sua maioria nas prisões ou já tinham sido eliminados na cadeira elétrica ou por injeção letal. 

Deve-se notar, ainda, que nos Estados Unidos não têm essa história de impunidade. Independe da idade. Há algum tempo um homicida de 11 anos de idade foi processado, julgado e condenado à prisão.

O monstro de Boston, como se pode inferir, será eliminado. Não deixem de ler esta matéria:
Dzhokhar Tsarnaev: o 'anjo da morte', o monstro de Boston, condenado à pena capital. Cadeira elétrica ou injeção letal.
O terrorista Dzhokhar Tsarnaev falou pela primeira vez nesta quarta-feira sobre sua participação no atentado na Maratona de Boston que deixou três mortos e mais de 260 feridos - dezessete pessoas perderam as pernas. O radical de 21 anos se pronunciou durante a audiência que formalizou a suacondenação à pena de morte e pediu desculpas a todos que foram atingidos direta ou indiretamente pelo ataque. "Eu sinto muito pelas vidas que foram perdidas, pelo sofrimento que causei a vocês, pelo dano que eu provoquei, danos irreparáveis", afirmou, segundo a rede BBC. "Eu rezo pelo seu alívio, eu rezo para que vocês possam superar isso".
Após a declaração do terrorista, o juiz George O'Toole Jr. citou uma frase de Shakespeare para recordar Dzhokhar que os americanos jamais esquecerão seu envolvimento no atentado. "A maldade perpetrada pelos homens sobrevive além de sua existência", disse O'Toole. "O que será lembrado é o fato de você ter assassinado e mutilado pessoas inocentes e que você fez isso deliberada e intencionalmente. Eu te sentencio à pena de morte por execução".
Dzhokhar se manteve impassível durante todo o julgamento e não chegou a esboçar reações quando os parentes das vítimas prestaram depoimento nas audiências criminais. O terrorista manteve a mesma postura nesta quarta-feira, quando familiares puderam expressar seus sentimentos com relação ao veredicto. No dia 15 de abril de 2013, Dzhokhar e o irmão mais velho, Tamerlan, detonaram bombas perto da linha de chegada da corrida. Depois, durante a fuga, eles também assassinaram o policial Sean Collier, que trabalhava na segurança do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, em inglês). Tamerlan foi morto em uma troca de tiros com a polícia dias depois do atentado.
"O que você fez à minha filha é nojento. Não sei nem o que dizer a você. Acho que júri fez a coisa certa [em condená-lo à morte]", disse Patricia Campbell, cuja filha Krystle morreu no atentado. "Ele poderia ter mudado de opinião na manhã do dia 15 de abril, saído com um senso mínimo de humanidade e reportado às autoridades que seu irmão planejava machucar outras pessoas", declarou Bill Richard, pai da criança de oito anos que também morreu no ataque. "Ele escolheu o ódio. Ele escolheu a destruição. Ele escolheu a morte", acrescentou.
A condenação de Dzhokhar foi a primeira sentença à pena capital de um júri federal para um terrorista na era pós-atentados de 11 de setembro de 2001, disse ao jornal The New York Times Kevin McNally, diretor do Death Penalty Federal de Resources Counsel Project. O último terrorista condenado à morte havia sido Timothy McVeigh, o homem que plantou uma bomba em Oklahoma City, foi condenado e sentenciado em 1997 e executado por injeção letal em 2001. Do site da revista Veja

Sponholz: Poço de Lula encontra massa fecal.


EM NOTA OFICIAL, JUÍZES FEDERAIS FEDERAIS DEFENDEM SERGIO MORO ALVO DE ATAQUES DO LOBBY DOS GRANDALHÕES

Juiz Federal Sergio Moro: sob o fogo cerrado do lobby dos corruptos por meio de grande mídia de aluguel. 
O que se constata na grande mídia em geral, com raras exceções de sempre, é uma verdadeira cruzada contra o Juiz Sergio Moro, que preside o inquérito da Lava Jato, a operação que pela primeira vez na história da República vai fundo numa investigação de corrupção e roubalheira de dinheiro público sem paralelo.

A maquinação do jornalismo a soldo é tão grande e tão descarada que obrigou a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) emitir uma nota oficial de apoio ao Juiz Federal Sergio Moro. O site O Antagonista publicou a nota que reproduzo:

NOTA À IMPRENSA EM APOIO DO JUIZ SERGIO MORO
A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) vem a público manifestar total apoio ao Juiz Federal Sergio Moro, Titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, na condução do julgamento da “Operação Lava Jato”. A pedido do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, o Magistrado decretou recentemente uma série de medidas, entre elas a prisão de executivos de grandes empresas que, segundo as investigações, estariam envolvidos em crimes de corrupção e formação de cartel.
Vale destacar que as decisões tomadas pelo Juiz Federal Sergio Moro no curso desse processo são devidamente fundamentadas em consonância com a legislação penal brasileira e o devido processo legal.
A Ajufe não vai admitir alegações genéricas e infundadas de que as prisões decretadas nessa 14ª fase da Operação Lava Jato violariam direitos e garantias dos cidadãos.
A Ajufe também não vai admitir ataques pessoais de qualquer tipo, principalmente declarações que possam colocar em dúvida a lisura, eficiência e independência dos magistrados federais brasileiros.
No exercício de suas atribuições constitucionais, o Juiz Sergio Moro tem demonstrado equilíbrio e senso de justiça. As medidas cautelares, aplicadas antes do trânsito em julgado do processo criminal, estão sendo tomadas quando presentes os pressupostos e requisitos legais. É importante ressaltar que a quase totalidade das decisões do magistrado não foram reformadas pelas instâncias superiores.
A Ajufe manifesta apoio irrestrito e confiança no trabalho desenvolvido com responsabilidade pela Justiça Federal do Paraná, a partir da investigação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.
Antônio César Bochenek
Presidente da Ajufe

Sponholz: Velho e obsoleto.


terça-feira, junho 23, 2015

EX-DEPUTADO DO PT ANDRÉ VARGAS É DENUNCIADO PELA SEGUNDA VEZ NA LAVA JATO POR LAVAGEM DE DINHEIRO PARA COMPRAR IMÓVEL DE LUXO

O ex-deputado André Vargas (ex-PT) é denunciado pela segunda vez na Lava Jato: agora por lavagem de R$ 480 mil ao lado do irmão Leon e da mulher. Foto: site Veja.
O ex-deputado petista André Vargas, sua mulher, Eidilaira Soares, e o irmão dele Leon Vargas foram denunciados à Justiça pelo crime de lavagem de dinheiro na compra de um imóvel de luxo em Londrina, interior do Paraná. Esta é a segunda acusação formal contra Vargas no âmbito da Operação Lava Jato - desde maio, ele já respondia por organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva.
De acordo com os investigadores, Vargas e seus familiares teriam ocultado 480.000 reais na compra de uma casa registrada pelo vendedor pelo preço de 980.000 reais. A mulher do ex-petista assinou um compromisso de compra no valor de 500.000 reais - daria entrada de 20.000 reais, seguida de uma parcela de pouco mais de 303.500 reais e do financiamento dos 176.500 restantes.
A "manobra" serviu para lavagem de capitais obtidos pelo ex-parlamentar por meio do esquema de corrupção em contratos da publicidade da agência Borghi/Lowe com a Caixa Econômica Federal e o Ministério da Saúde. Prestadores de serviço subcontratadas pela agência pagavam uma comissão (bônus de volume) de 10% do valor dos contratos a Vargas, a mando da Borghi/Lowe.
Por orientação do publicitário Ricardo Hoffmann, ex-diretor da agência em Brasília (DF), os bônus eram depositados em contas bancárias de duas empresas de Vargas e de seus irmãos Leon e Milton Vargas, Limiar Consultoria e Assessoria e LSI Soluções em Serviços Empresariais. A Polícia Federal e o Ministério Público constataram que as duas empresas eram de fachada e serviam apenas para recebimento de propina.
Em maio, Hoffmann e os irmãos do ex-deputado, Leon e Milton Vargas, também foram denunciados e passaram a responder por organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva. Do site da revista Veja